depressão

Depressão: o que é, sintomas, diagnóstico e tratamentos

A depressão está se tornando uma doença cada vez mais comum. Isso porque muitas pessoas acabam negligenciando os cuidados com a mente.

É importante ter o entendimento que esse problema pode atingir qualquer pessoa, independentemente do gênero, raça, idade etc. Sendo assim, é primordial ficar atento aos sinais para evitar a doença.

Pensando na importância de abordar esse tema, preparamos esse conteúdo para que entenda melhor o que é a depressão, seus sintomas, tratamentos e muitos mais. Para conferir, basta continuar a leitura.

O que é a depressão?

Trata-se de um transtorno psicológico, em que a pessoa em questão permanece em um quadro de tristeza profunda, o que afeta diretamente o prazer e o interesse pela vida.

É importante ter em mente que esse sentimento é comum, porém, quando se trata da depressão, ele se torna mais intenso e duradouro, afetando assim, toda a vida do paciente.

Muitas pessoas acreditam que essa doença afeta somente o emocional, porém, infelizmente, ela também atinge o físico. Por exemplo, esse transtorno prejudica o sistema imunológico.

Principais sintomas do transtorno

Agora que entendeu melhor o que é a depressão, separamos os principais sintomas para que fique atento e assim, consiga identificar o problema. Confira a seguir.

  • Sentimento de tristeza;
  • Ansiedade;
  • Cansaço intenso;
  • Sono ruim;
  • Irritabilidade;
  • Autoestima baixa;
  • Pessimismo;
  • Pensamentos suicidas;
  • Falta de interesse em atividades que antes sentia prazer de realizar;
  • Angústia.

Lembrando que esses são apenas alguns dos inúmeros sintomas. Portanto, é imprescindível buscar um especialista para o diagnóstico exato.

Principais causas da depressão

A depressão pode ser provocada por diversos motivos, sejam eles internos ou externos. Sendo assim, esse transtorno pode ser originado devido a um conjunto de fatores biológicos, ambientais, psicológicos etc.

Veja alguns dos motivos mais frequentes que desencadeiam o transtorno:

Diagnóstico de doenças graves

Quando uma pessoa é diagnosticada com uma doença grave, geralmente, ela sente dificuldades em lidar com a situação. Afinal, é preciso, muitas vezes, passar por tratamentos dolorosos, ter uma grande mudança nos hábitos, enfrentar o preconceito da sociedade, e até mesmo conviver com o sentimento diário da morte.

Sendo assim, com toda essa junção, o paciente tende a ficar com o emocional bastante abalado, fazendo assim, com que o quadro evolua para a depressão.

Bullying

O bullying é outro fator que contribui para o quadro de depressão, pois ouvir comentários ruins sobre a aparência, modo de falar, entre outros, pode acabar prejudicando a autoestima do paciente. E, infelizmente, quando essas ações se tornam frequentes, a pessoa acaba tomando as falas como uma verdade, tirando assim, a confiança, o que favorece o desenvolvimento do transtorno.

Perdas de familiares e/ou amigos

Muitas pessoas têm dificuldades em lidar com a morte. Sendo assim, quando perdem entes queridos, acabam caindo em uma tristeza profunda, causando assim, a depressão.

Situações marcantes

Por fim, outro problema que pode favorecer a depressão são situações como desemprego, divórcio, traições, entre outros. Isso ocorre, pois esses momentos causam um estresse prolongado.

Lembre-se que esses são apenas alguns dos diversos motivos que favorecem para o desenvolvimento desse transtorno psicológico.

Além disso, existem fatores de riscos, ou seja, pontos que aumentam a probabilidade de o indivíduo desenvolver a doença. Veja alguns deles:

  • Traumas, sejam eles físicos ou psicológicos;
  • Sedentarismo;
  • Alimentação ruim;
  • Excesso de redes sociais;
  • Ansiedade e estresse crônicos;
  • Histórico familiar;
  • Alterações hormonais;
  • Pancadas na cabeça.

Como é feito o diagnóstico?

Infelizmente, muitas pessoas não conseguem identificar a depressão logo de início. Isso porque, elas acreditam que os sintomas são passageiros, e que estão acontecendo apenas por determinada situação adversa do dia a dia.

Porém, o diagnóstico deve ser feito o mais rápido possível, porque é preciso tentar reduzir os efeitos da doença. Por isso, fique atento aos sintomas que citamos anteriormente. Caso tenha algum deles, é essencial buscar ajuda de um profissional para que ele avalie todo o seu histórico como paciente. Além disso, solicite exames para verificar e dar um diagnóstico preciso.

Vale lembrar que caso tenha o transtorno, ele deve ser classificado em leve, moderado ou grave. O primeiro caso apresentava sintomas menos intensos, sendo assim, é mais fácil de controlar e traz um impacto menor para o dia a dia do paciente. Já a grave afeta, e muito, o dia a dia da pessoa, por exemplo, a impede de trabalhar, se socializar etc.

Tratamentos

Primeiramente, é importante entender que procurar ajuda profissional para iniciar o tratamento é primordial. Com o acompanhamento necessário, que geralmente é realizado em conjunto com o psicólogo e o psiquiatra, é possível reduzir ou até mesmo acabar de vez com o problema.

Existem diversas possibilidades para tratar o transtorno, sendo as principais a psicoterapia e o uso de medicamentos. E, para verificar o melhor método para as suas necessidades, procure um especialista.

A psicoterapia é importante, pois faz com que o paciente aprenda a se conhecer melhor, entendendo assim, seus problemas e aprendendo a lidar com eles. Muitas vezes, esse tipo de tratamento basta para os casos leves. Já para quadros moderados e graves, geralmente, é necessário o uso de medicamentos. Com isso, o profissional responsável irá avaliar o caso e prescrever de acordo com o paciente.

Pensando em tudo que citamos ao longo do texto, não negligencie os cuidados com a doença, pois deixar de realizar o tratamento fará a situação só piorar, podendo ocasionar até mesmo a morte. Portanto, é importante se conscientizar!

Nesse sentido, há um movimento muito importante para a doença, o Setembro Amarelo. Criado em 2015, a campanha é realizada com o intuito de levantar debates sobre a depressão e o suicídio. Tal data é essencial para mostrar a importância da prevenção desses problemas e também da necessidade dos cuidados com a saúde mental.

Tenha em mente que ajudar ao próximo e se ajudar é um ato de amor. Portanto, realize as ações necessárias para se prevenir da depressão!

Formas de se prevenir

Para que fique livre dessa doença, selecionamos diversas ações que você deve realizar no dia a dia. Confira:

  • Durma, no mínimo, 8h por dia;
  • Faça atividades físicas;
  • Tenha momentos com a sua família e amigos;
  • Se alimente de forma saudável;
  • Não deixe seus problemas te dominar;
  • Faça atividades que lhe deem prazer;
  • Tenha um acompanhamento psicológico.

Vale lembrar que essas são apenas algumas dicas e que, infelizmente, mesmo seguindo todas elas, ainda há chances de desenvolver o transtorno. Portanto, fique atento aos sintomas e não deixe de se cuidar, pois a saúde é o nosso bem mais precioso!

Related Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.